domingo, março 02, 2008

A Alforreca - parte III


Mas nem os dragões escapam às duras provações da existência!
Ainda nem um mês se passara, quando a augusta soberana caiu doente.
Reuniram-se os doutores em conferência, que tiveram de ser francos, de declarar que a sciencia - já n'aquella epoca se enchia a bocca com a sciencia - que a sciencia nada mais podia fazer e que um angustioso desfecho era de esperar-se.
Do seu leito de enferma, agita as tremulas patinhas a rainha, que diz:
- Uma só coisa me salvará: arranquem o figado a um macaco vivo e consintam que o devore; recuperarei a saúde...
- Estás louca minha querida! - Não poude reprimir o rei.
- No figado do mono alguma coisa virá, alguma particula estranha, senhor, que me salvaria!
Julgava merecer-lhe meus affectos. Dê a coroa a outra espousa, consita que volva ao ninho de meus paes... - sufocava-se em soluços, a rainha.
O rei dos dragões não queria passar entre as damas, por um dragão cruel. Satisfaça-se pois o capricho da rainha.
Mandou chamar a sua escrava mais fiel e dedicada, a alforreca, e confiou-lhe a espinhosa tarefa.

2 comentários:

Fernanda Campos disse...

Oi Margarida!

Sou desenhista brasileira e adorei seus desenhos!

As sereias e noivas são inspiradoras! Eu mesma faço desenhos de noivos para convites de casamento aqui no Brasil.

Comecei um blog há pouco tempo... Preciso trabalhar mais nele, mas não tenho muito tempo livre...

www.detalhesebrownies.blogspot.com

www.fotolog.com/fdesenhos

Abraços do Brasil!

Fernanda

mvz disse...

querida meggie
esdtou encantada opr ter descoberto que tinhas um blog, que maravilha! sou a tua fã numero um!!!